“A gente nasce para o que é”

|





Oliver Pereira dos Santos, o Oliver Black, começou a cortar cabelos aos oito anos de idade, e o primeiro cliente foi o próprio tio. Como todo iniciante, passou por muitas dificuldades, porém, superou todas.




Na época em que deu início ao ofício de cabeleireiro, havia muito preconceito e ele teve que parar temporariamente para empenhar outras funções, como: lavar carros, carregar compras em supermercados, fazer faxinas em domicílios, vender doces e salgados nas praias, atividades essas que ajudaram a levar o sustento para casa.







 Mesmo  com ótimos desempenhos nessas funções, Oliver sentiu que o dom de ser cabeleireiro estava no sangue, então resolveu assumir esta profissão. Começou a cortar cabelo em frente a casa de sua avó. Posteriormente buscou a profissionalização no Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC), foi para as praias, asilos, casas de acolhimento, onde muitas vezes não obteve pagamento com esses serviços, mas o carinho que recebia das pessoas e as diversas histórias de vida lhe enriqueciam muito mais do que qualquer dinheiro.




Atualmente, Oliver trabalha e brilha no Largo do Pelourinho, num salão a céu aberto no Centro Histórico de Salvador, ao lado do Museu da Cidade, cuidando do cabelo de pessoas anônimas, artistas nacionais e internacionais.



Oliver também trabalha voluntariamente em Organizações não Governamentais (ONGs), dentre elas: Projeto Axé, Fundação Cidade Mãe, Omidudu, entre outras.

Há dez anos é participante de vários eventos, como: Camarote do Festival de Verão, Camarote de Daniela Mercury, Camarote da Vivo, Camarote da Claro, Camarote da TIM, Camarote da Bahiatursa, Camarote da Seda, além de fazer várias palestras em grandes empresas como a Caraíba Metais, Suzano, Vega, dentre outras.





Carismático, sensual e determinado, Oliver nasceu no dia quatro de maio e está sob o signo de touro, além de ter uma presença marcante no Largo do Pelourinho. A rua é o lugar onde se faz o estilo fashion do cabelo, atraindo olhares múltiplos de curiosos turistas estrangeiros e brasileiros.

O talento só não basta, é necessário disposição e habilidades manuais que traduzem mais do que nós o jeito “Oliver” de ser e isso se confirma na estrofe da canção Tocando em frente, imortalizada na voz única de Maria Bethânia: “Cada um de nós compõe a sua história/ cada ser em si carrega o dom de ser capaz/ de ser feliz”, ou seja, sonhar sempre. Desistir jamais.







Oliver Black, um brasileiro de Salvador, da Bahia e do MUNDO.










Texto editado e finalizado por Isabela Veloso e Danilo Braga
Contato: coreseideias.blogspot.com

2 comentários:

Jana...simplesmente!!!! disse...

Ele é o melhor no que faz. Não é simplesmente saber fazer...é uma mistura de dom e de amor!!! Profissional como ele, não há!

PROJETO MÃE VIDA disse...

ALÔ!
Tive o prazer de conhecer o "Ministro dos Cabelos" OLIVER, em minha passagem pelo Pelourinho-Salvador no Reveillon de 2010. Fiquei admirado por sua competência e simplicidade que o faz uma personalidade brasileira e mundialmente famosa. Parabéns e que tenha muitas alegrias e mais sucesso.
PROFESSOR ACIOLI - OLINDA - PERNAMBUCO

Postar um comentário